Amy Coney Barrett é perfeita. Para os anos 50

Foto de Jonathan Hoxmark no Unsplash

Amy Coney Barrett é a mulher perfeita. Ela bonita, inteligente, calma, educada. Ela é mãe de uma grande família. Magra, branca.

Amy é perfeita porque não atrapalha, não chama atenção, não fala alto e, como vimos ontem, não dá a própria opinião sobre nada importante. Amy é a mulher perfeita dos anos 50. Ela não incomoda.

Amy será perfeita para o papel de representante das causas de homens poderosos. O que ela mesma pensa sobre tudo isso? Não sabemos. De tão perfeita que ela é, fica até difícil falar mal dela. Ela falou algo muito ofensivo ou absurdo na sabatina? Não. Ela não deve ter dito algo desse tipo a vida toda.

Infelizmente, não podemos nos dar ao luxo de sermos perfeitas. Acho que o mundo ainda precisa de muitas mulheres chatas. Aquelas que reclamam, que incomodam. A perfeição de Amy pertence ao passado. Eu prefiro a ideia de Lizzy Hale, que canta: o mundo é das meninas más.

Jornalista e consultora de comunicação. www.suzanavalenca.com

Jornalista e consultora de comunicação. www.suzanavalenca.com